O Bloco Carnavalesco Império Colonial reúne os diversos serviços de saúde mental da colônia e a comunidade vizinha ao Museu. Juntos nesta proposta de construção coletiva, o mBrac reafirma a luta contra as práticas manicomiais e a relevância de ações culturais para a construção de uma comunidade saudável, plural e fortalecida. 

O carnaval é uma das festas mais democráticas e comunitárias existentes na cultura brasileira, fazendo diversos paralelos com pautas fundamentais à luta antimanicomial.  Uma festa preparada e elaborada em coletivo ao longo do ano inteiro, com forte potencial pedagógico, que através da criação artística, da brincadeira e da celebração abre campo para múltiplas falas e escutas, para a história, mas também para o presente, abrindo caminho para novas narrativas e perspectivas. 

Além disso, a festa carnavalesca evoca à livre circulação nas ruas, legitimando o direito intrínseco à cidade e ao território, onde todos se unem, promovendo forte inclusão. É também uma forma de manifestar alegria e dar protagonismo aos usuários dos serviços de saúde mental, que podem falar de outros lugares para além de seu sofrimento psíquico. Podem se colocar como foliões, cidadãos, artistas e o que mais puderem inventar, orientados pelo desejo de estar na vida e na cidade, para além dos muros institucionais.